Adiamento da prestação do serviço militar até a conclusão de residência médica

admin Advogado Militar Deixe seu comentário  

MEDICO MILITAROs estudantes de medicina do sexo masculino que obtiveram a incorporação adiada quando da convocação ao serviço militar inicial obrigatório, estão obrigados a prestar o serviço militar após o término do curso de graduação ou após a realização de programa de residência médica ou pós-graduação.
Esse entendimento está disciplinado por legislação específica (Lei 5.292/67), que se destina aos médicos, farmacêuticos, dentistas e veterinários, devendo ser observado o artigo 4º, com redação dada pela Lei nº 12.336/2010:

“Art. 4º Os concluintes dos cursos nos IEs destinados à formação de médicos, farmacêuticos, dentistas e veterinários que não tenham prestado o serviço militar inicial obrigatório no momento da convocação de sua classe, por adiamento ou dispensa de incorporação, deverão prestar o serviço militar no ano seguinte ao da conclusão do respectivo curso ou após a realização de programa de residência médica ou pós-graduação, na forma estabelecida pelo caput e pela alínea ‘a’ do parágrafo único do art. 3º, obedecidas as demais condições fixadas nesta Lei e em sua regulamentação.”

Contudo, o Exército convoca os recém-formados a fim de que os mesmos se apresentem e venham a cumprir com o serviço militar, muitas vezes desconsiderando o fato daqueles estarem em processo seletivo ou aprovados em curso de Residência Médica, o que infringe o próprio dispositivo legal supracitado.
Além do dispositivo legal transcrito, o artigo 8º do referido diploma legal, ainda estabelece:

“Art 8º Os estudantes regularmente matriculados nos IEMFDV poderão ter a incorporação adiada por tempo igual ao da duração do curso, fixada na legislação específica, ou até a sua interrupção.”

Destaca-se que a Lei 12.336, de 26 de outubro de 2010, também alterou a redação do artigo 29 da Lei 4.375/1964 (Lei do Serviço Militar), que passou a prever, em sua alínea “e”, o seguinte:

“Art. 29 Poderão ter a incorporação adiada: (…)
e) os que estiverem matriculados ou que se candidatarem à matrícula em institutos de ensino (IEs) destinados à formação, residência médica ou pós-graduação de médicos, farmacêuticos, dentistas e veterinários até o término ou a interrupção do curso.”

Em recente caso prático, quando o graduado fora convocado em janeiro do corrente ano para apresentar-se, já se encontrava aprovado em dois concursos para cursar residência médica, entendendo o julgador ser plausível a suspensão do ato convocatório e da obrigatoriedade da incorporação com o adiamento da prestação do serviço militar até que o convocado conclua a Residência Médica ou dela se afaste por qualquer motivo, tendo em vista que o resultado de aprovação foi divulgado antes da data de incorporação.

Ademais, o entendimento da jurisprudência reconhece o direito ao adiamento da prestação do serviço militar, conforme segue:

ADMINISTRATIVO. AGRAVO DE INSTRUMENTO. SERVIÇO MILITAR OBRIGATÓRIO. MÉDICO. ADIAMENTO DA CONVOCAÇÃO. DATA POSTERIOR À RESIDÊNCIA MÉDICA. LEI Nº 12.336/10. POSSIBILIDADE. Sendo a residência médica uma extensão da formação regular do profissional médico, não é razoável impor a quem já obteve o adiamento da prestação do serviço militar durante o período do curso de medicina, que interrompa a sua residência para prestar o serviço militar obrigatório. O adiamento do início da prestação do serviço militar, para período imediatamente após a conclusão da residência, não trará prejuízo à União. (TRF4, AG 5003157-53.2014.404.0000, Terceira Turma, Relator p/ Acórdão Fernando Quadros da Silva, juntado aos autos em 11/04/2014)

ADMINISTRATIVO. SERVIÇO MILITAR OBRIGATÓRIO. DISPENSA. MFDV. NOVA CONVOCAÇÃO COM BASE NA LEI 12.336/2010. ADIAMENTO ATÉ O TÉRMINO DE RESIDÊNCIA MÉDICA. POSSIBILIDADE. 1. Com a Lei 12.336/2010, os médicos, farmacêuticos, dentistas e veterinários (MFDV) dispensados ou com adiamento de incorporação acabaram equiparados para fins de posterior prestação do serviço militar obrigatório. 2. É possível a aplicação da Lei 12.336/2010 aos profissionais dispensados antes, mas formados após a sua entrada em vigor, segundo o entendimento firmado pelo Egrégio Superior Tribunal de Justiça, em decisão proferida no EDcl no RESP REPETIVO Nº. 1186513/RS, publicada em 14-02-2013. 3. Daí não se extrai, porém, a necessidade de imediata prestação do serviço militar obrigatório, pois o art. 4º da Lei nº 5.292/1967, com a redação dada pela Lei nº 12.336/2010, permite a manutenção do adiamento da incorporação até a finalização da residência médica ou do curso de pós-graduação. (TRF4, AC 5007867-63.2013.404.7110, Terceira Turma, Relatora p/ Acórdão Marga Inge Barth Tessler, juntado aos autos em 03/04/2014)

ADMINISTRATIVO. SERVIÇO MILITAR OBRIGATÓRIO. PROFISSIONAL DA ÁREA DE SAÚDE. MFDV. ADIAMENTO DE INCORPORAÇÃO. CONVOCAÇÃO. ADIAMENTO. CONCLUSÃO DO CURSO DE RESIDÊNCIA MÉDICA. POSSIBILIDADE. Se o requerente obteve adiamento do serviço militar obrigatório, de forma condicional à prestação ao final do curso superior, na forma dos artigos 4º e 9º da Lei 5.292/67, o ato administrativo convocatório deverá ser postergado para momento seguinte à conclusão do curso de residência médica e/ou estudos de pós-graduação, não sendo possível a dispensa de forma definitiva. (TRF4, APELREEX 5063210-45.2011.404.7100, Terceira Turma, Relator p/ Acórdão Nicolau Konkel Júnior, juntado aos autos em 27/02/2014)

Portanto, é possível o ADIAMENTO da prestação do serviço militar, a fim de que o graduado convocado possa cursar residência médica, conforme previsto em lei, sendo postergado o ato convocatório para à conclusão da residência médica.

Ariani Zanardo
Krynski Advogados Associados


Militar com Parkinson tem direito à reforma militar

admin Advogado Militar Deixe seu comentário  

doenca O militar acometido por Doença de Parkinson tem direito à reforma militar em grau hierárquico imediatamente superior ao da ativa, visto que é uma doença neurológica, que afeta os movimentos da pessoa. Causa tremores, lentidão de movimentos, rigidez muscular, desequilíbrio além de alterações na fala e na escrita.

A doença de Parkinson, impede seu portador de fazer atividades normais do dia a dia como fechar botões de uma camisa, da farda, carregar algum objeto. Necessário frisar-se, a total impossibilidade do manuseio de armas, atividade corriqueira da caserna.

Neste sentido, dispositivos do Estatuto dos Militares, asseguram o direito à reforma aos portadores de Mal de Parkinson:

ART. 108 – A incapacidade definitiva pode sobrevir em consequência de: […]
V – tuberculose ativa, alienação mental, neoplasia maligna, cegueira, lepra, paralisia irreversível e incapacitante, cardiopatia grave, MAL DE PARKINSON, pênfigo, espondiloartrose anquilosante, nefropatia grave e outras moléstias que a lei indicar com base nas conclusões da medicina especializada, e […]

Corroborando, o entendimento dos Tribunais têm sido no mesmo sentido:

“ADMINISTRATIVO. MILITAR. DOENÇA DE PARKINSON. INVALIDEZ COMPROVADA. RETIFICAÇÃO DO ATO DE REFORMA. REMUNERAÇÃO DO GRAU HIERÁRQUICO IMEDIATAMENTE SUPERIOR AO DA ATIVA. ARTIGOS 108, V E 110, § 1º DA LEI 6.880/80. Evidenciado nos autos que o autor é portador da Doença de Parkinson e está inválido, ou seja, incapacitado definitivamente para exercer a atividade militar e qualquer outra atividade laborativa da vida civil, faz jus à retificação do ato de reforma para que passe a perceber remuneração correspondente ao grau hierárquico imediatamente superior ao que detinha quando na ativa, nos termos do art. 108, V e 110, § 1º da Lei 6.880/80. Honorários mantidos nos termos em que fixados. (TRF4, Apelação Cível nº 50004365820114047106, Desembargador Federal Jorge Antônio Maurique, 05/06/2012).

EMENTA: ADMINISTRATIVO. MILITAR. REFORMA. INCAPACIDADE TOTAL PARA QUALQUER ATIVIDADE LABORAL. COMPROVAÇÃO. REMUNERAÇÃO. GRAU HIERÁRQUICO SUPERIOR. 1. Para fazer jus à reforma com a remuneração calculada com base no soldo correspondente ao grau hierárquico imediato ao que possuía na ativa, deverá o militar, nos termos do artigo 106, caput e inciso II, artigo 108, caput e inciso V, artigo 109, e, artigo 110, caput e § 1.°, da Lei n.º 6.880/1980 (Estatuto dos Militares), comprovar que, à época da prestação do serviço militar, foi acometido da doença que o incapacitou, além de definitivamente para o serviço ativo das Forças Armadas, total e permanentemente para qualquer outro trabalho. 2. O laudo pericial deixou claro que o autor, acometido de Mal de Parkinson em estágio avançado, está incapacitado para o desempenho de qualquer atividade laboral. 3. Remessa oficial improvida. (TRF4 5018828-30.2012.404.7100, Quarta Turma, Relatora p/ Acórdão Vivian Josete Pantaleão Caminha, juntado aos autos em 24/07/2013)

Sendo assim, é pacifico o entendimento da jurisprudência no sentido de que os portadores de Mal de Parkinson são inválidos para o labor, consequentemente, fazem jus a concessão de reforma militar com base no grau hierarquicamente superior ao possuído na ativa, nos termos dos artigos 108, 109 e 110 da Lei nº 6.880/80. Menciona-se ainda que tal posicionamento jurisprudencial independe do fato de haver nexo ou não com as atividades militares e ainda, de ser o militar temporário ou estável.

Krynski Advogados Associados
Kelen Persch


Anistia para os militares e seus direitos

admin Advogado Militar Deixe seu comentário  

anistiaO Regime militar foi o período da política brasileira em que militares conduziram o país. Essa época ficou marcada na história do Brasil pela prática de vários Atos Institucionais, tais como: censura, perseguição política, supressão de direitos constitucionais, falta total de democracia e repressão àqueles que eram contrários ao regime militar.

A Ditadura militar no Brasil teve seu início com o golpe militar de 31 de março de 1964, resultando no afastamento do Presidente da República, João Goulart, e tomando o poder o Marechal Castelo Branco. Este golpe de estado durou até a eleição de Tancredo Neves em 1985. À época, o fundamento do golpe foi de que havia uma ameaça comunista no país.

Os presidentes do Brasil na época da Ditadura Militar foram: 1. Humberto Alencar Castelo Branco (1964-1967); 2. Artur da Costa e Silva (1967-1969); 3. Emílio Garrastazu Médice (1969-1974); 4. Ernesto Geisel (1974-1979); 5. João Batista Figueiredo (1979-1985).

Destaca-se que a censura, a perseguição Política e a tortura são três temas coexistentes e altamente interligados nos regimes ditatoriais. A prática da censura, que consiste no controle das informações e pensamentos a circularem na sociedade, levava diretamente à perseguição política daqueles que desejam exercer sua liberdade de expressão. Quando essa liberdade se fazia contra a estrutura de poder, o Estado, que estava nas mãos dos militares, julga-se no direito de silenciar as vozes contrárias.

A prática de tortura é tão antiga quanto a história da humanidade. Não só no Brasil, mas em toda a América Latina, as Forças Armadas nacionais padronizaram e colocaram em prática algumas orientações para torturar qualquer militante “comunista”. Por comunistas, os militares da Ditadura entendiam como qualquer cidadão que constituísse ameaça ao poder centralizado e ditador.

Com o advento da Lei 10.559/02, que regulamentou o disposto no art. 8º do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias – ADCT, passou a ser reconhecido, por meio de um regime próprio, o direito à condição de anistiado, bem como à reparação econômica de caráter indenizatório, em parcela única ou em prestação mensal, àqueles que no período de 18 de setembro de 1946 até a promulgação da Constituição de 1988 foram atingidos, em decorrência de motivação exclusivamente política, por atos de exceção.

Não há dúvida de que aqueles que tiveram a normalidade de suas vidas profissionais e, por certo, também o recôndito de suas vidas particulares, afetados pela postura impositiva assumida pelo Poder Público à época (expulsão/licenciamento do Exército), a legislação vigente reconhece expressamente a obrigatoriedade da declaração de anistia.

Portanto, é neste sentido que o Krynski Advogados atua, buscando o direito de seus clientes que foram submetidos a atos políticos considerados como de exceção, ou seja, busca-se o reconhecimento da condição de anistiado político, a reforma militar ao posto que teria direito se estivesse na ativa (promoções e vantagens), bem como a reparação aos danos morais.


Militar Temporária tem direito à estabilidade após o parto

admin Advogado Militar Deixe seu comentário  

militar gravidaNo momento em que se confirmou a gestação da militar temporária, esta fica protegida pela garantia constitucional estendida a todas as trabalhadoras gestantes como direito social; direito esse que se sobrepõe ao poder discricionário conferido à autoridade administrativa de exclusão do serviço militar ativo.

O direito da militar temporária das Forças Armadas à estabilidade provisória conferida à gestante após o parto, está insculpida no art. 7°, I, da Constituição Federal, combinada com o art. 10, II, ‘b’ do ADCT e art. 142, §3º, VIII, e, bem assim, à prorrogação da licença gestante por 60 (sessenta) dias, prevista na Lei nº 11.770/08.

No que pertine aos integrantes da Forças Armadas, o art. 142, § 3º, inciso VIII, da CF, determina, expressamente, a aplicação aos militares do disposto no inciso XVIII do art. 7º da CF, daí depreendendo-se a extensão do direito à licença gestante à servidora militar, mesmo em exercício temporário.

Portanto, em que pese não expressamente prevista a extensão à servidora militar da estabilidade temporária no emprego, tal garantia não pode ser dissociada do direito de proteção à maternidade, assegurado a todas as trabalhadoras, inclusive às servidoras públicas civis e militares, mesmo em serviço temporário.

Os Tribunais Federais assim vem decidindo:

AGRAVO LEGAL – CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO. MILITAR TEMPORÁRIA. LICENÇA GESTANTE. ESTABILIDADE PROVISÓRIA. ASSEGURADA. JUROS DE MORA. LEI N.º 9.494/97, ARTIGO 1º-F. I – Conforme disposto no inciso VIII do §3º do art. 142 da Constituição Federal/88, “aplica-se aos militares o disposto no art. 7º, VII, XII, XVII, XVII, XVII, XVIII, XIX e XXV e no art. 37, XI, XIII, XIV e XV”, ou seja, dentre os direitos assegurados aos militares encontram-se a “licença à gestante, sem prejuízo do emprego e do salário, com a duração de cento e vinte dias” (inciso XVIII). II – Ainda que a militar temporária não goze de estabilidade, deve ser garantida a proteção constitucional da maternidade, prevista art. 10 do ADCT/CRFB/88, cujo preceito legal veda a dispensa arbitrária ou sem justa causa da empregada gestante desde a confirmação da gravidez até 5 (cinco) meses após o parto (estabilidade provisória). III – No caso dos autos, a militar foi licenciada ex officio quando se encontrava grávida, conforme demonstram os documentos de fls. 14 e 92, em flagrante violação ao artigo 10, II, B do ADCT. Referido licenciamento também vai contra o entendimento proferido pelo STF, o qual reconhece em favor das servidoras públicas gestantes, ainda que contratadas a título precário, o direito à licença-maternidade de cento e vinte dias e à estabilidade provisória desde a confirmação da gravidez até cinco meses após o parto. IV – Em se tratando de servidor público, os juros de mora da condenação devem ser fixados em 6% (seis por cento) ao ano, a contar da citação, nos termos do artigo 1º-F da Lei n.º 9.494/97, com redação dada pela Medida Provisória n.º 2.180-35, de 24 de agosto de 2001, considerando que a ação foi proposta posteriormente ao advento da mesma. A partir de junho/2009, data da publicação da Lei n.º 11.960/2009 – a qual deu nova redação ao referido artigo 1º-F, os juros deverão ser aqueles aplicados à poupança. V – Agravo legal improvido.
(AC 00111690220084036105, DESEMBARGADOR FEDERAL COTRIM GUIMARÃES, TRF3 – SEGUNDA TURMA, e-DJF3 Judicial 1 DATA:10/03/2011 PÁGINA: 160 ..FONTE_REPUBLICACAO:.)

ADMINISTRATIVO. MILITAR. LICENCIAMENTO. INDEFERIMENTO DE PRORROGAÇÃO DE ESTÁGIO DE SERVIÇO. LICENÇA À GESTANTE.
Caso em que a autoridade administrativa deveria Ter observado a garantia constitucional que conferia, à demandante, estabilidade provisória nos moldes definidos no art. 10, inciso II, alínea b do ADCT, assegurando-lhe a permanência na caserna até cinco meses após o parto.
No momento em que a autoridade administrativa optou pelo licenciamento por término do tempo de serviço, deveria ter atentado para o fato da gravidez, de que tinha inegável conhecimento e, portanto, da proteção constitucional à maternidade.’ (TRF-4ª Região, 4ª T., AC 2002.71.02.000379-2/RS, Rel. Des. Valdemar Capeletti, unânime, jul. em 31/03/2004)

Em relação à prorrogação da licença por mais 60 (sessenta) dias, a Lei nº 11.770/08 criou o Programa Empresa Cidadã, destinado à prorrogação da licença maternidade mediante concessão de incentivo fiscal, possibilitando a referida prorrogação às servidoras da Administração Pública, inclusive às militares.

Nessa perspectiva, sendo o direito de estabilidade provisória à gestante assegurado pela Constituição Federal, entende-se que as Militares Temporárias das Forças Armadas devem ser mantidas no serviço militar ativo por até sete meses depois do parto, contemplando, por conseguinte, o prazo previsto no art. 7.º, inciso XVIII, da CF, acrescido da prorrogação da licença maternidade estabelecida na Lei nº 11.770/08 e Decreto nº 6.990, de 11/12/2008.

Krynski Advogados Associados


Auxílio-invalidez não exige prova de cuidados permanentes

admin Advogado Militar Deixe seu comentário  

1451481_779515348732682_927014464_n Em julgamento de recurso especial, a Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) garantiu a um militar reformado o recebimento de auxílio-invalidez, em razão de neoplasia maligna constatada na inatividade, sem a exigência de comprovação da necessidade permanente de hospitalização ou de cuidados de enfermagem.
Acórdão do Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJDF) indeferiu o pagamento do benefício sob o fundamento de que não foi comprovada a necessidade permanente de internação ou de assistência de enfermagem, nos termos da Lei 10.486/02.
De acordo com o artigo 26, parágrafo 3º, dessa norma, o militar na inatividade que contrair uma das doenças elencadas na lei, declarada por junta médica da corporação, terá direito ao auxílio-invalidez.
A exigência das condições para concessão do benefício – necessidade de hospitalização e cuidados permanentes –, elencadas no caput do mesmo artigo, foi o cerne do recurso especial interposto.
Para o TJDF, os requisitos elencados não poderiam ser ignorados na interpretação do parágrafo 3º. O recorrente, entretanto, defendeu que os inativos seriam isentos da obrigatoriedade de comprovação, “não apenas pela gravidade da moléstia, mas também em virtude de manifestação da enfermidade em idade naturalmente já avançada, tendo em vista as condições exigidas para que o militar passe à reforma”.

Interpretação diversa

O relator, ministro Mauro Campbell Marques, reconheceu que o STJ já firmou orientação no sentido de que o recebimento de auxílio-invalidez “vincula-se à necessidade de hospitalização permanente, de assistência ou de cuidados permanentes de enfermagem, a ser aferida em inspeção de saúde”. No entanto, destacou que, em relação aos militares inativos acometidos por doença grave, o direito ao benefício é adquirido de outra forma.
Para o relator, a regra geral de aquisição do benefício, prevista para o caso de o militar ter-se ferido ou acidentado em serviço, ou ser acometido por doença grave na atividade, difere da regra prevista para o militar, em inatividade, que contrair uma das doenças graves, contagiosas ou incuráveis previstas na legislação de regência.
Assim, por serem diversos os contextos em que estão as proposições normativas, “torna-se forçoso concluir que a segunda forma de aquisição do benefício deveria estar redigida em artigo independente, eis que não pode ser conjugada com os requisitos da regra geral de obtenção do auxílio-invalidez – mormente porque, no segundo caso, não há precariedade na concessão do benefício, tal como ocorre no primeiro”, disse Campbell.
O direito à percepção do benefício foi reconhecido de forma unânime pelos ministros da Segunda Turma.

Esta notícia se refere ao processo: REsp 1428575
Fonte: Superior Tribunal de Justiça


Direito ao PNR ou indenização por habitação aos militares

admin Advogado Militar Deixe seu comentário   , ,

SUPERVIA_VILA_MILITAR_001A Constituição da República Federativa do Brasil qualifica a atividade militar como peculiar e lhe assevera tratamento mais do que especial, levando em conta justamente que o exercício por eles desenvolvido está intimamente ligado à defesa da soberania nacional e à garantia da manutenção do Estado Democrático de Direito.

Aliado a estes fatores, há princípios norteadores que regem o direito administrativo, tendo, por consequência, reflexo direto no âmbito militar, sejam eles: Poder de Disciplina, Hierarquia, Legalidade, Moralidade, Eficiência, Motivação, Supremacia do Interesse Público.

 

Nesta esteira, o Exército Brasileiro tem por praxe remover militares a outras organizações localizadas em qualquer lugar do Brasil, sob o argumento principal do “interesse da administração pública”.

 

Existe o sistema chamado de “Próprio Nacional Residencial” (PNR) que visa a amparar estes militares, acompanhados ou não de seus familiares. São imóveis de domínio da União utilizados para acomodação. Ocorre que, em várias localidades no Brasil, este sistema não existe ou, se existe, não dá conta de acolher a todos. Aos excedentes, teoricamente, fica a obrigação do Exército em acolhê-los em local condizente ou reembolsá-los as despesas que particularmente gastaram com moradia.

 

No entanto, não é o que ocorre. Muitos militares são obrigados a custear todas as despesas sem qualquer auxílio, pondo em risco o seu sustento e o de sua família.

Neste sentido, são direitos dos militares previstos no seu estatuto: a moradia, compreendendo alojamento em organização militar e habitação para si e seus dependentes.

 

Ora, se o militar exerce atividade peculiar; se está sujeito a ser remanejado pelo país a fora e a servir em qualquer OM compatível com o seu grau hierárquico na corporação; se numa destas remoções ele pode se ver obrigado a mudar-se para local em que não tem residência própria; se não pode recusar remoção, tampouco deixar de se apresentar na OM de destino, sob pena de cometer transgressão disciplinar e crime militar; se as diversas OM têm condição de saber previamente o efetivo movimentado entre elas e, com isso, mensurar o número de PNR necessários a abrigar a todos, sem nenhuma sombra de dúvida que o militar que não recebe residência funcional para abrigar a si e a sua família tem direito a ser indenizado dos valores gastos com uma habitação do mesmo padrão.

 

É neste sentido que o Krynski Advogados atua, agindo e repelindo atos ilícitos da União. Ademais, a Justiça Federal está julgando procedentes as ações indenizatórias. Patente a omissão do Exército que já deveria ou ter construído os PNR necessários a abrigar o contingente de militares removidos ou ao menos movimentar a quantidade de servidores compatível com o número de unidades disponíveis, pois o que não se pode admitir é que o militar tenha que ele mesmo financiar a execução do seus deveres numa OM em local no qual não possui moradia própria, enriquecendo ilicitamente a União de forma indireta.

 

Portanto, é dever da União indenizar os militares removidos por necessidade do serviço a outra OM, com ou sem os seus familiares, quando indisponível acomodação militar, pois não há razão de pôr em risco o seu sustento e o sustento familiar, quando preponderante o interesse do Exército; a dignidade do militar deve ser respeitada, principalmente como pessoa.


Justiça proíbe uso de militares subalternos em casas de superiores

admin Advogado Militar Deixe seu comentário  

A Justiça Federal de Santa Maria proibiu, em todo o Brasil, o uso de militares subalternos em tarefas domésticas nas casas de seus superiores. A decisão da é da juíza Gianni Cassol Konzen, da 3ª Vara Federal de Santa Maria e foi dada nesta segunda-feira.

A1267036781-medios Forças Armadas não podem mais utilizar militares subalternos para a realização de tarefas domésticas nas residências de seus superiores. A decisão da juíza Gianni Cassol Konzen, da 3ª Vara Federal de Santa Maria (RS), foi proferida ontem (3/2) e vale para todo o território nacional.

Os autores da ação, Ministério Público Militar (MPM) e Ministério Público Federal (MPF), ingressaram contra a União alegando que autoridades de alta patentes – como generais, coronéis e tenente-coronéis – estariam se beneficiando com o trabalho dos servidores em suas casas. Segundo afirmaram, a prática seria autorizada por norma interna.

Segundo o processo, em muitos casos, a execução das atividades em ambiente doméstico colocaria os soldados sob a subordinação das mulheres dos oficiais, e que as impressões produzidas na execução das tarefas estariam influenciando promoções na carreira.

Para a magistrada, o andamento processual comprovou a utilização dos militares como empregados domésticos nas residências dos superiores. Segundo ela, essa circunstancia “fere não somente a legalidade como a moralidade, a impessoalidade e, de forma direta e frontal, em muitos casos, a dignidade da pessoa humana”.

A juíza considerou como agravante o fato de a situação ocorrer por meio de coação do Estado.

A ação havia sido julgada procedente em novembro do ano passado, mas sua abrangência limitava-se à competência territorial da jurisdição de Santa Maria.

Os autores recorreram, e a juíza acolheu a argumentação apresentada, reformando a sentença.

Gianni determinou que as Forças Armadas, em todo o território nacional, deixem de utilizar os militares subalternos em tarefas eminentemente domésticas nas residências dos oficiais superiores.

À decisão, cabe recurso.

FONTE: DIÁRIO DE SANTA MARIA

Link: http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/noticia/2014/02/justica-federal-de-santa-maria-proibe-uso-de-militares-subalternos-em-casas-de-superiores-4409583.html


Dano Moral do militar licenciado indevidamente

admin Advogado Militar Deixe seu comentário  

missaoCorriqueiramente o Exército Brasileiro age de maneira pedante para com os seus Militares, supostamente amparados em princípios institucionais (Hierarquia, Disciplina e Discricionariedade). É contra esta visão que o Krynski Advogados vem intervindo. O descaso no fornecimento de tratamento médico, a não concessão de reforma ex officio, exclusão e licenciamento indevidos quando patente a indispensabilidade de tratamento médico (em razão de acidentes com ou sem relação de causa e efeito com a atividade Militar), são exemplos de atos ilícitos por que motivam o ajuizamento de ações indenizatórias.

Destaca-se que os danos morais não se fundam unicamente na dor e nas restrições inerentes às doenças ou lesões dos Militares, que são arregimentados em plenas condições físicas e mentais. Os danos têm fundamentos na omissão e/ou comissão do Exército que, em vez de dispensar tratamento adequado ou conceder a reforma ex officio, excluem o Militar debilitado. É nesse descaso, nessa atitude desonrosa que se fundam as ações de indenização por danos morais. Uma situação que fere a honra e impinge um sentimento de traição, pois os Militares dedicam suas vidas no afã de contribuir com a paz e a ordem social. Tais atos são agressões!!!

Estas atitudes não podem ser deixadas de lado ao ponto de, infelizmente, soarem como contemplação de um prêmio ao Exército. Os Militares não têm a obrigação de arcar com seus próprios prejuízos/danos, tendo que digeri-los sem que nada seja feito. Assim, busca-se no Poder Judiciário o contrário, a repressão de tais atos e a satisfação dos direitos. É por esta via que se coíbem as práticas abusivas e arbitrárias, aplicando-se condenações em caráter repressivo e didático.

Neste sentido, o Poder Judiciário tem decidido a favor dos Militares: 3ª Turma, Relator Nicolau Konkel Júnior, pub. 08/08/2013, processo nº 5010925-12.2010.404.7100; 3ª Turma, Relator Fernando Quadros Da Silva, pub. 22/08/2013, processo nº 5010925-12.2010.404.7100; 3ª Turma, Relator Roger Raupp Rios, pub. 01/04/2009, processo nº 2004.71.03.000415-7; TRF 4ª Região.

Trabalhamos em conjunto e é assim que buscamos uma forma de compensar os prejuízos causados aos Militares.

Thiago Castro Corrêa da Silva
OAB/RS 82.180


Período de reintegração é igual a tempo de serviço

Advogado Militar Advogado Militar Deixe seu comentário  

krynski-militaresO Superior Tribunal de Justiça sedimentou entendimento que garante estabilidade para militar temporário que se encontra reintegrado nas Forças Armadas por força de decisão liminar. Dessa forma, se o militar somar mais de 10 anos de serviço militar, incluindo o tempo que esteve ou está nas Forças Armadas por reintegração judicial, o STJ garante a estabilidade ao mesmo.

Vejamos algumas decisões nesse sentido:

ADMINISTRATIVO. MILITAR TEMPORÁRIO. ESTABILIDADE. AQUISIÇÃO. PRAZO DECENAL ULTRAPASSADO SOB A ÉGIDE DE DECISÃO JUDICIAL. POSSIBILIDADE. DISCUSSÃO ACERCA DE DISPOSITIVOS CONSTITUCIONAIS. IMPOSSIBILIDADE. COMPETÊNCIA DO STF. 1. A jurisprudência desta Corte é firme no sentido de que o período adimplido por força de decisão judicial deve ser computado no tempo necessário à aquisição de estabilidade pelo militar temporário. […](AGRESP 201300263739, HUMBERTO MARTINS, STJ – SEGUNDA TURMA, DJE DATA:26/03/2013 ..DTPB:.)

PROCESSUAL CIVIL. ADMINISTRATIVO. MILITAR TEMPORÁRIO. ESTABILIDADE DECENAL. CONTAGEM DE TEMPO DE SERVIÇO PRESTADO COM AMPARO EM LIMINAR POSTERIORMENTE CASSADA. POSSIBILIDADE. PRECEDENTES. 1. O STJ tem posicionamento assente no sentido de que o militar temporário tem direito à estabilidade profissional, quando decorridos dez anos de efetivo serviço, sendo irrelevante que o decênio tenha sido cumprido por força de liminar posteriormente cassada. 2. É assegurado ao militar temporário a estabilidade profissional quando ultrapassar o decênio legal de efetivo serviço castrense, ainda que por força de decisão liminar, comprovado nos autos o lapso temporal exigido, conforme o disposto no art. 50, IV, alínea “a”, da Lei 6.880/1980. Precedentes do STJ. 3. Agravo Regimental não provido. ..EMEN:
(AGARESP 201300000144, HERMAN BENJAMIN, STJ – SEGUNDA TURMA, DJE DATA:18/03/2013 ..DTPB:.)

AGRAVO REGIMENTAL. RECURSO ESPECIAL. ADMINISTRATIVO. MILITAR TEMPORÁRIO. ESTABILIDADE DECENAL. CONTAGEM DE TEMPO DE SERVIÇO PRESTADO COM AMPARO EM LIMINAR. POSSIBILIDADE. PRECEDENTES. 1. É assegurado ao militar temporário a estabilidade profissional quando ultrapassar o decênio legal de efetivo serviço castrense, ainda que por força de decisão liminar, comprovado nos autos o lapso temporal exigido, a teor do disposto no art. 50, inc. IV, alínea “a”, da Lei n.º 6.880/1980. Precedentes. 2. Agravo regimental improvido. ..EMEN:
(AGRESP 200900060440, MARIA THEREZA DE ASSIS MOURA, STJ – SEXTA TURMA, DJE DATA:27/02/2012 ..DTPB:.)

Dessa forma, demonstrado o preenchimento pelo militar do requisito do decênio legal no serviço castrense, incluindo-se o tempo em que esteve reintegrado judicialmente, deve ser reconhecido o seu direito à estabilidade profissional.

 


Alterações no contrato FAM/FHE

admin Geral Deixe seu comentário  

alterações contrato seguro FAM

A alteração que ocorreu nas apólices de seguro da FHE para os militares foi apenas da titularidade da empresa responsável pelo pagamento dos prêmios segurados. No mais, não há alteração alguma, os seus direitos, garantias e deveres permanecem intactos.

 Tudo a que se comprometeu a Bradesco, que era a antiga responsável pelos pagamentos dos prêmios, irá ser honrado pela nova empresa, a MAPFRE,  que passou a ser a empresa líder, responsável pelo pagamento.

 Essa prática de alteração da empresa responsável pelo pagamento do valor segurado é corriqueira entre os seguros coletivos, como o que pertence a FHE. Não cabendo, por essa razão, nenhum tipo de indenização nem nenhuma medida a fim de impossibilitar tal alteração, pois os direitos dos segurados estarão todos preservados, independentemente de quem assuma a obrigação em pagar o prêmio.

 Não há abuso por parte da estipulante na troca da empresa, pois os militares contrataram o seguro da FHE e não a empresa Bradesco Seguros, logo desde que todos os direitos dos militares sejam preservados não há razão alguma apta a concretizar alegação de abuso.

 Além disso, os reajustes previstos na nova apólice são condizentes com a lei, que prevê a possibilidade de reajustamento dos descontos para conservar o equilíbrio financeiro do contrato, como ocorre, por exemplo, com um contrato de aluguel, que de tempos em tempos é reajustado.